terça-feira, 25 de março de 2014

BABEL, UM PROBLEMA SOLUCIONADO NO PENTECOSTES – Gn 11.1-9 e At 2.4-12



 
INTRODUÇÃO
Foi lendo alguns textos e artigos sobre o paralelo entre estas duas passagens que despertou em mim o interesse em estuda-la mais profundamente. Noi entanto, o esboço que desejo compartilhar com você nada mais é do que o resultado de um estudo devocional das duas passagens em momentos tranquilos de meditação.
No relato de Gênesis, merece destaque a ousadia pecaminosa e a busca da independência humana. Os homens queriam invadir a morada divina. Além de desejar “tomar” os céus, queriam garantir seu poder e manter sua unidade, dando glória ao seu próprio nome.
Como resultado desse estudo desejo meditar um pouco sobre os problemas atuantes em Babel, reino do poderoso Ninrode, homem venerado por seus súditos que ousaram enfrentar a grandeza de Deus com as suas próprias mãos. Me regozija saber, que os problemas causados por esta geração perversa foi totalmente modificada por um simples carpinteiro da galileia, da pequena cidade de Belém, Jesus. Este se tornou um líder, adorado por seus seguidores que em atitudes opostas as dos habitantes de babel, mudaram o mundo com com o testemunho do Nazareno. Isso enche meu coração de júbilo em saber que Babel foi um problema solucionado com a subida de Jesus aos céus e a descida do Espírito Santo á terra.
1. OS HOMENS DE BABEL
1.      Falavam uma única língua; v.1
2.      Eram desobedientes a Deus; vv.2,4a (ver 1.28;4.12,17; 9.1,7)
3.      Eram corajosos e determinados para fazer algo bom visando o mal; v.3
4.      Eram ousados e orgulhosos; v.4
5.      Buscavam fama, nem que para isso, enfrentassem o próprio Deus; v.4
6.      Se não fossem parados, seriam capazes de muito mais; v.6b
7.      Foram confundidos e divididos/espalhados; vv.7,9
2. OS HOMENS DO PENTECOSTES – Atos 2.1-13
1.      Eram obedientes a Deus; 1.12
2.      Estavam aos pés do Senhor em oração; 1.14
3.      Eram corajosos e determinados para fazer algo bom visando o melhor; 2.1
4.      Eram piedosos; 2.5
5.      Buscavam Poder do alto para testemunhar do nome de Jesus; 1.8
6.      Estavam todos reunidos no mesmo lugar; v.1
7.      Estavam assentados, esperando humildemente; v.2
8.      Todos foram cheios do Espírito e passaram a falar em outras línguas; v.4
3. O AGIR DE DEUS EM BABEL
1.      Deus lhes permite chegar ao ponto de rebelar-se contra Ele; v.5b
2.      Deus desce investiga a situação antes sentencia-los; v.5a (ver 3.8-13; 4.9,10;18.21)
3.      Deus confunde-os e depois os dispersa pela terra; vv.7-9
4. O AGIR DE DEUS NO PENTECOSTES
1.      Deus os ordenou a irem para Jerusalém; Lc 24.49
2.      Deus cumpre a sua promessa feita através de Joel; 2.16
3.      O Espírito desce sobre eles para unir os povos; 2.4
5. BENEFÍCIOS DO PENTECOSTES
1.      Um som desceu do céu em vez deles subirem até lá; 2.2
2.      Houve aglomeração de pessoas, ajuntamento em vez de dispersão, divisão; 2.6
3.      Houve admiração em vez de decepção; 2.7
4.      Conseguiram atrair a presença de Deus, não para puni-los, mas, para batizá-los; 2.4
5.      Ouviram as grandezas de Deus em vez de verem o juízo de Deus; 2.11
CONCLUSÃO
Em Babel Deus desceu para reprovar, para embargar aquela obra. No Pentecostes Deus desceu para aprovar e prosseguir a Obra.
Em Babel eles diziam; “vamos ficar aqui”. No Pentecostes, eles sabiam que deveria sair para Jerusalém, Judéia, Samaria e confins da terra até chegar à eternidade.
O mesmo Deus que desceu em Babel para confundir os homens e espalha-los pela terra como punição, foi o mesmo Deus que desceu no Pentecostes para capacitar os homens para serem espalhados pelo mundo para serem testemunhas da ressurreição.
O mesmo Deus que puniu os homens em Babel confundindo-os com línguas ao ponto de se espalharem-se pela terra, foi o mesmo Deus que abençoou os homens no Pentecostes com línguas para reaproximá-los, atraí-los para si;
“Mas, agora, em Cristo Jesus, vós, que estáveis longe, fostes aproximados pelo sangue de Cristo. Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo derribado a parede da separação que estava no meio a inimizade, [...] para que dos dois criasse, em si mesmo, um novo homem, fazendo a paz, e reconciliasse ambos em um só corpo com Deus, por intermédio da cruz, destruindo por ela a inimizade. E, vindo, evangelizou paz a vós outros que estáveis longe e paz também aos que estavam perto; porque, por ele, ambos temos acesso ao Pai em um só Espírito.” (Efésios 2.13-18).
Soli Deo Glória!
Pr. Járber Sousa
Ministrado na ADTC-Presidente Dutra
Em 24 de março de 14, Culto de Doutrina
www.jarbersousa.blogspot.com.br
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário